familiafeliz

10 mitos sobre os ricos

Desde que passei a ter acesso a outro cluster social, conheci muita gente da sociedade: ricos, famosos, decadentes, intelectuais, os que acham que são intelectuais, políticos, atletas, executivos de alto escalão, playboys etc. Nunca fui do tipo que frequentei muito esses ambientes, pois, ao longo do tempo, sempre estive focado em meu trabalho. No fundo – por favor, não contem isso para ninguém e que isso fique somente entre vocês e eu – nunca tive saco para essa função, como participar desses eventos glamourosos com toda essa “nóia” de ficar preocupado em vender imagem de bacana. Bem, depois de toda essa experiência, acho que posso falar algumas coisas sobre os ricos. Afinal, eu me tornei um deles e formei dezenas de outros ricos também, dentre meus executivos e franqueados.

Então, vamos falar sobre 10 mitos sobre os ricos:

1. RICOS GOSTAM DE APARECER – Na verdade, quem deseja parecer ser rico é que gosta de aparecer. É claro que sempre há exceções, mas, em geral, os ricos não gostam de aparecer. Preferem ser discretos e, na maioria das vezes, passar em branco. Isso porque, em função do alto índice de violência urbana e o crescimento dos sequestros, principalmente na cidade de São Paulo, os ricos preferem o anonimato. Ricos não têm Foursquare, não fazem check-in, eles tiram o geolocalizador de seus celulares e preferem não postar fotos de sua família em redes sociais. Em muitos casos, preferem ficar de fora da rede ou usam pseudônimos.

2. RICOS NÃO TRABALHAM – Bem, antes de mais nada, é muito importante definir a palavra trabalho, pois muitos confundem trabalhar com ter um emprego. Trabalhar é produzir, é sair do ponto A para o ponto B. Segundo a física, TRABALHO = Força x Deslocamento x Cos ∂. Ou seja, quando não há produção, não há deslocamento, logo, o trabalho é igual a zero. Com exceção dos herdeiros, os ricos que produziram sua riqueza honestamente são pessoas que trabalham muito. Eles são obstinados, determinados e incansáveis em busca de atingirem seus objetivos. Eles conquistaram seus resultados justamente porque são trabalhadores.

3. RICOS SÃO SUPERDOTADOS – Eu conheço ricos que sequer terminaram a 4ª série do ensino fundamental. Pessoas inteligentes, é claro, mas longe de serem superdotadas. Inclusive, são limitados em vários aspectos. Mas, naquilo a que se dedicaram por muitos anos, tornaram-se especialistas. Com o desenvolvimento de seus projetos, alimentaram ainda mais sua autoconfiança.

4. RICOS SÃO SORTUDOS – As pessoas confundem muito saber aproveitar oportunidades com sorte. Sorte é algo aleatório e que não depende de nós. Grande parte dos ricos não acredita em sorte e mesmo os que acreditam, se você for observar sua trajetória empresarial, não vai encontrá-los ganhando na Mega-Sena nenhuma vez. As oportunidades estão por aí, enxergá-las e ter a coragem de abraçá-las é o que faz a diferença.

5. RICOS SÃO LADRÕES – A quantidade de dinheiro em sua carteira não está relacionada a seu caráter. Há ricos ladrões assim como há pobres safados. No entanto, os que enriqueceram à custa de seu trabalho precisaram ser bastante honestos por décadas com aqueles que trabalharam em suas equipes e, por isso, produziram riquezas. Não há virtude na pobreza e nem éticas condenáveis na riqueza.

6. RICOS SÃO FÚTEIS – Bem, depois do funk ostentação, ficou mais claro que futilidade não tem classe social. É claro que há ricos fúteis também, mas há uma onda de consciência onde quem tem mais, a cada dia, busca mais significado para sua vida. Não é por acaso que os que optam pela futilidade, cedo ou tarde, lotam os consultórios psiquiátricos tentando aliviar as angústias.

7. RICOS NASCERAM EM BERÇO DE OURO – Os herdeiros sim, mas, nos últimos anos, o dinheiro tem mudado de mão e a quantidade de novos milionários cresceu exponencialmente no Brasil, apesar da enorme burocracia dos setores públicos de nosso país. Grande parte dos ricos que conheço saiu do zero e venceu muitas dificuldades para conquistar um lugar ao sol.

8. RICOS VÃO PARA O INFERNO – Resolvi acrescentar este tópico porque vivemos num país de maioria cristã e, por muito tempo, incentivada por votos de pobreza promovidos por alguns setores da Igreja. A riqueza foi difundida como coisa do “capeta”, sustentado por um trecho da Bíblia que diz assim: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco da agulha do que um rico entrar no reino dos céus…” Eu não vou entrar no mérito da interpretação desse texto, do que significa o “buraco da agulha” ou outras teses teológicas. O fato é que Jesus, o protagonista das religiões cristãs, foi condenado à morte de cruz, como todos conhecemos a história. Todos os condenados a tal pena de morte eram considerados indigentes e tinham seus corpos expostos a céu aberto para serem comidos pelas aves. Segundo relatos históricos, o corpo de Jesus foi “negociado” com Pilatos, através de um discípulo chamado José de Arimatéia, que era um grande empresário do setor de exportação e também um senador. Com sua influência, conseguiu os direitos sobre o corpo de Jesus e a escolta da guarda Romana em frente ao túmulo. Um dos pilares da religião cristã é a ressurreição de Cristo testemunhada pelos dois guardas. Tudo isso, com a ajuda de um homem rico.

9. RICOS TÊM SUA FAMÍLIA DESTRUÍDA – Muitos abandonam a família para perseguirem a riqueza, mas não podemos negar que está cheio de pobre que também tem problemas com seus filhos. É claro que, quanto mais dinheiro, maiores são as possibilidades, e isso representa, sim, um desafio para os inconstantes e inconsistentes. Conheço muitos ricos com família, mulher e filhos, e tudo muito bem estruturado. Gente que dá muito valor aos momentos que vivem com aqueles que amam.

10. RICOS NÃO GOSTAM DO BRASIL – Essa afirmação geralmente vem do fato de muitos morarem fora do Brasil. Mas o fato é que a vida no Brasil para essas famílias é muito dura, pois são constantemente assombrados com a possibilidade de um sequestro. Eu conheço pelo menos quatro famílias que tiveram filhos sequestrados no Brasil. Só em 2013, o crescimento dos casos de sequestros em SP foi de 21% em relação ao ano anterior. Com isso, os que não podem sair do país e oferecer mais segurança para suas famílias, vivem dentro de gaiolas de ouro, andam de carros blindados e têm uma tropa de dezenas de seguranças armados frequentando suas casas. Esse é o retrato de um estado que não consegue sequer dar segurança a essas famílias, que são os maiores pagadores de impostos do Brasil. Resultado? O país perde muitas de suas maiores mentes de negócios para qualquer país que tenha maior competência de oferecer à sua população uma vida segura e mais tranquila. Agora, pergunte a todos esses em qual lugar eles gostariam de morar se as coisas fossem diferentes.

Para concluir, vemos que um grande erro é fazermos generalizações e, pior, criarmos preconceitos. Uma coisa é certa: um bom passo para você progredir é aprender a admirar os que remaram contra a correnteza, superaram muitos desafios para realizarem seus projetos e, por fim, receberam esse rótulo de “ricos”. Mas, lembre-se, por trás desse rótulo há um ser humano cheio de qualidades e defeitos como qualquer um. Apreciar essas qualidades é o primeiro passo para se tornar um deles.

Comentários

comentários